Compromisso com o ensino da Cultura Japonesa

Para melhor compreender a trajetória da Oyama sensei, é preciso dividi-la em três fases.

Primeiramente, iniciou sua carreira em 1965, na pequena cidade de Guaíra – PR, em um espaço cedido pelo prefeito local, onde lecionou língua japonesa para crianças e adolescentes.

Mudou-se para Curitiba em 1968, onde recomeçou seus ensinos numa pequena sala da Paróquia da Igreja na Praça Rui Barbosa, a Escola de Japonês Bom Jesus.

Naquela época, havia poucas famílias japonesas em Curitiba, o que fez com que a Oyama sensei saísse em busca dos primeiros alunos, visitando casa por casa. Aos poucos, a escola foi se tornando conhecida, chegando a atingir a marca de 200 alunos, sob a responsabilidade de 7 professores, que foram contratados ao longo dos anos.

Partindo da premissa de que o acesso à educação ou à aprendizagem de qualquer língua deve ser aberto a todos, sem distinção de raça, cor ou credo, ela foi uma das primeiras a aceitar, alunos não descendentes numa escola japonesa.

Visando o desenvolvimento e educação integral dos alunos,eram proporcionadas atividades culturais , tais como: artes, música, esportes, gincanas poliesportivas, educação religiosa,formação de grêmio estudantil, além da aprendizagem da língua, que se baseava nos livros didáticos utilizados nas escolas formais do Japão.

Em 1983, houve a  transição da administração da Escola de Japonês Bom Jesus para o Junshin, em virtude da aquisição de um imóvel por parte da Congregação do Imaculado Coração de Jesus de Nakazaki e da Pastoral Nipo-brasileira.

Considerando as diferenças metodológicas, Oyama sensei optou por se desvincular do Junshin e fundar um curso particular, numa pequena sala da Galeria Tijucas, iniciando novamente do zero.

Na ocasião, ela observou que havia um nicho ainda inexplorado em Curitiba, que era um curso voltado especialmente para jovens e adultos. Então, ela criou e desenvolveu um método da língua japonesa moldado especialmente para estrangeiros, adaptando-oà realidade brasileira, o qual teve grande aceitação no mercado.

Qual não foi a surpresa, a Escola da Oyama Sensei, como é carinhosamente conhecida pela comunidade, começou a receber inúmeros alunos brasileiros, que demonstravam grande interesse pela língua e pela cultura, necessitando ampliar sua estrutura para mais 3 salas de aula.

Com a procura cada vez mais crescente de alunos em busca do Curso de Japonês, aliada a uma visão avançada para a época, ela constatou que era preciso preparar não só professores nissei e sansei que estavam em processo de formação, como também novos professores brasileiros.

Oyama sensei foi uma das pioneiras em formar professores não descendentes, pois seu desejo era deixar um legado à sociedade brasileira, em gratidão ao bem com que foi acolhida quando da sua imigração. Ela acreditava que, para ensinar a língua japonesa não precisa originar necessariamente do Japão, mas que acima de tudo, o professor fosse amante desta língua e da sua cultura, e que desejasse ajudar a propagá-las ao maior número de pessoas.

Na década de 80, várias empresas multinacionais japonesas começaram a se instalar na Cidade Industrial de Curitiba, o que demandou a abertura do Curso de Português, iniciando com apenas duas professoras.

Graças ao conceito que foi se solidificando ao longo dos anos, este curso passou a ser conhecido por outras empresas sediadas em São Paulo e no Rio de Janeiro, fazendo com que hoje tenhamos mais de 30 professores altamente qualificados em nossa equipe.

Em 1997, foi agraciada com a comenda de “Congratulações” da Assembleia Legislativa do Paraná e a de “Louvor pelos Serviços Prestados” pela Câmara Municipal de Curitiba.

Ainda hoje, mesmo com seus 78 anos, ela é dona de um grande vigor e garra, contagiando a todos com a sua alegria e espírito jovem. Continua lecionando japonês e formando novos seguidores, pois seu maior sonho é o de que os jovens prossigam com a sua jornada.

historico-g

Comments are closed.